Logo Alfaro
Fale com o Alfaro
Promovendo cidadania com informação
banner Alfarobanner Alfarobanner Alfaro

Mais Antigos

SELECIONE O MÊS/ANO
D S T Q Q S S
1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31


A construção vertical no Cassino e o “Complexo de Vira-Lata”

sexta-feira, 20 de Dezembro de 2013 | 12:05

O centenário Balneário do Cassino sempre se caracterizou por peculiaridades especialíssimas, que continuamente causam surpresa aos que por aqui passam. Uma delas é o fato de as pessoas residirem no centro da cidade e possuírem casas de veraneio a apenas 18 km de distância. Muitos entendem que é um desperdício, considerando ainda o fato de dispormos de 200 km de costa exclusiva, onde podemos estacionar o carro ao lado da praia.

Essas condições fizeram com que o Cassino nunca fosse prioridade às administrações municipais, até os veranistas questionavam há pouco tempo a pavimentação das ruas, que na opinião deles descaracterizava o ambiente natural e mexia com o aspecto bucólico do tradicional bairro.

A falta de uma política habitacional nas três esferas de governo refletiu no Cassino, fez com que passasse a ter mais moradores do que veranistas, o que, no meu entendimento define a nova vocação do bairro e acelera como ocorreram décadas atrás em outras cidades litorâneas, mudanças na concepção original urbanística.

Pois bem, a globalização e o progresso aceleram os processos, chegou a vez do nosso Cassino, como já vem ocorrendo também no centro da Cidade. Respeito a opinião dos que querem o balneário exatamente com está, mas vivemos num País democrático onde a livre iniciativa, respeitadas as legislações vigentes, decide, conforme o mercado e os seus interesses, onde e como farão seus investimentos.

Não se pode ideologizar, como insistem alguns, o desenvolvimento. Buscar argumentos do tipo: “é coisa para rico...” ou, “o que precisamos são moradias populares...”, são escapismos odiosos, que ao contrário do que preconiza o Governo Federal, criam um ambiente de constrangimento deplorável aos empresários e investidores em geral. Imaginem que, numa conta rápida, os investimentos propostos garantem a contrapartida de mais de R$1,2 milhão, além da perspectiva da arrecadação anual de R$3,6 milhões em ITBI, R$ 720 mil em ISQN e R$1,2 milhão em IPTU. Cabe, portanto, aos governos criar políticas e programas que oportunizem a todos, em especial aos mais pobres, obterem a sua casa própria. Não obstante, registramos que na maioria dessas iniciativas os governos têm contato com a parceria da iniciativa privada.

O Plano Diretor do Município do Rio Grande, em consonância com o que preconiza o Estatuto das Cidades, define que os possíveis impactos negativos advindos dos empreendimentos serão mitigados através de medidas compensatórias que apresentem resultados abrangentes para toda a coletividade, isto é o que realmente importa. O resto, garantindo o direito universal do contraditório, é fruto de um atávico “complexo de vira-lata”, como tão bem definiu o imortal Nelson Rodrigues a situações análogas.


Escrito por Alberto Amaral Alfaro

Liberação da Maconha: O Uruguai e a vanguarda do retrocesso

segunda-feira, 16 de Dezembro de 2013 | 12:09

Após marchas e contramarchas, o Senado do Uruguai aprovou a legalização da produção, distribuição e venda da maconha sob controle do Estado, sob os olhares preocupados do mundo inteiro. Uma das últimas argumentações do folclórico Presidente do Uruguai, Jose “Pepe” Mujica, descortina a verdadeira razão dessa busca desenfreada por um protagonismo internacional em cima de uma experiência já feita e refugada na Europa, em países como a Holanda e a Suíça. Disse o ex-guerrilheiro: “Não defendo a maconha. Gostaria que ela não existisse. Nenhum vicio é bom. Pedimos ao mundo que nos ajude a fazer essa experiência sociopolítica diante de um problema grave que é o narcotráfico. O efeito do narcotráfico é pior que o da droga”.

Óbvio que o pequeno Uruguai, tão caro a mim por ser a terra natal de meu saudoso Pai e Avôs paternos, não recebeu de algum organismo internacional essa incumbência, menos o ateu Presidente Uruguaio alguma missão divina, por motivos óbvios. Na realidade a decisão dos que comandam a política no país vizinho é ideológica e busca, tal quais outros bolivarianistas, uma oportunidade de negócios. Pasmem, o chanceler uruguaio, Luis Almagro, referiu com entusiasmo que aumentou nos últimos dias a busca de informações sobre como obter visto de residência devido a legalização do uso da droga. Turismo da maconha? É triste ver um país tão belo e com índices tão significativos de IDH, ser submetido a um protagonismo criminoso.

De outra banda, a Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes da ONU lamentou a legalização da maconha e voltou a dizer que a decisão viola as normas internacionais. Nós brasileiros, com estimados 10 milhões de viciados e 10 mil quilômetros de fronteiras secas com todos os produtores de cocaína, sofreremos reflexos ainda não imagináveis, mas com certeza catastróficos. O Deputado Federal Osmar Terra (PMDB-RS), médico e ex-Secretário Estadual da Saúde é o maior expoente brasileiro na luta contra essa medida e tem alertado, inclusive no próprio Parlamento uruguaio, sobre a epidemia de outras drogas bem mais letais, mas que têm como porta de entrada o consumo da maconha. No RS são 13 as cidades fronteiriças com o Uruguai e quem viaja pela região já conhece os métodos que utilizam as autoridades uruguaias para “agilizar e minimizar” os contratempos fiscalizatórios.

Essa polêmica está apenas começando, o Uruguai é o primeiro país no mundo a adotar legislação tão flexível. Não obstante, a verdade precisa ser dita. Não podemos admitir argumentos politicamente corretos quando o que está em jogo é a vida das pessoas. O hediondo mercado de drogas está dizimando a juventude. Ele avança e vai ceifando vidas em todas as camadas sociais e econômicas, uma verdadeira pandemia.

Infelizmente o uso da maconha é considerado inofensivo por muitas pessoas, inclusive profissionais da saúde, o grande problema é como controlar essas exceções. Até benefícios à saúde causados pelo THC, principal substância psicoativa encontrada nas plantas do gênero cannabis, são registrados por órgãos internacionais de controle de drogas.

Preocupo-me com a crescente onda de glamourização da maconha, especialmente pela autodenominada “Geração 4:20”, uma referência a 20 de abril, data escolhida para ser o dia mundial da maconha. Espero que o Governo Brasileiro esteja bem atento aos desdobramentos dessa atabalhoada decisão do Uruguai e saiba criar mecanismos que miniminizem os efeitos dessa liberalidade, que aproxima cada vez mais dos nossos lares, das nossas escolas o “mal do milênio”, que é o uso das drogas.


Escrito por Alberto Amaral Alfaro

Tony Blair aponta caminhos para o Brasil, bom seria que todos o escutassem.

sexta-feira, 06 de Dezembro de 2013 | 00:33

Tenho afirmado permanentemente que o período das grandes invenções e teorias já passou em todos os sentidos. Com tudo que dispomos em termos de experiências e conhecimento, basta-nos a racionalidade e a humildade para buscarmos, onde se encontrarem, as soluções para as nossas demandas. Os meios e mecanismos estão aí ao nosso dispor, universalizados.

Falo, obviamente, da Globalização, esse fenômeno maravilhoso que disponibiliza a todos, democraticamente, processos econômicos e sociais e estabelece, informalmente, uma integração entre países e pessoas, numa rede de conexões que eliminam distâncias e burocracias, facilitando a vida de todo o mundo.

Pois bem, neste artigo trato aspectos relacionados à palestra proferida no último dia 4 de dezembro, em Porto Alegre, pelo ex-Primeiro Ministro britânico Tony Blair, que chefiou o governo inglês de 1997 até 2007, e que veio ao Brasil a convite da Laureate International Universities, rede global de instituições acadêmicas privadas. Para 10.000 alunos da UniRitter, professores e convidados, Blair discorreu sobre o tema: “Globalização: desafios, oportunidades e o papel das lideranças”.

Liderança mundial reconhecida, Tony Blair estima que o Brasil seja uma das maiores potências do mundo em 20 anos, desde que mude muito, e elencou cinco lições a serem perseguidas por nós para efetivamente estabelecermo-nos neste novo cenário global.

A primeira é relacionada à qualidade do governo e dos governantes. Considerando a facilidade de acesso às informações, a população tem melhores condições de entender o que precisa ser feito e avaliar como isso está sendo atendido. Leis justas e previsíveis, sistema de comércio aberto, infraestrutura e ausência de corrupção complementam este tópico.

Em segundo lugar, sugeriu que se pense o mundo como um organismo único e que estejamos abertos à cooperação. A educação é o fator de desequilíbrio entre os povos. Para a nação ter sucesso. os lideres precisam estar atentos a isso. Reconheceu que a reforma da educação, embora seja a mais importante das reformas propostas, é a mais difícil a ser realizada e recomendou perseverança. No quarto item, sem intrometer-se na política brasileira deu um toque que nos cala profundamente, disse o líder global, tomando como exemplo sua própria nação: “O Brasil será um dos líderes no mundo, mas terá que se posicionar e decidir sobre suas alianças, o mesmo já foi feito inúmeras vezes pelo Reino Unido desde o período renascentista (entre os séculos XIV e XVI)”.

Falou que a conectividade é imperiosa e disponibiliza tudo o que existe no mundo aos que quiserem ver, repetindo que: quanto mais você se conectar, melhor você será. Defendeu, com limites consensados internacionalmente, a vigilância por questões de segurança e a de inteligência. Por último, disse estar constatando com alegria que o período que vivemos, século XXI, está menos baseado em ideologias, e que isso vem, obviamente, na força da globalização e do efeito transformador da internet. A diferença entre esquerda e direita é a mesma entre mentes abertas e fechadas, ou seja, há quem veja em todo esse processo oportunidades, outros, infelizmente, só enxergam ameaças. O recado foi dado, não é uma receita de bolo, mas o interlocutor tem expertise comprovada e consagrada mundialmente, bom dar uma olhada.


Escrito por Alberto Amaral Alfaro

  5-6-7-8-9-10-11  

^ topo

QUEM SOU

Alberto Amaral Alfaro

natural de Rio Grande – RS, advogado, empresário, corretor de imóveis, radialista e blogueiro.

ENTREVISTAS

O QUE EU LEIO

ÚLTIMAS 10 POSTAGENS


Ouça a Rádio Cultura Riograndina

ARQUIVOS

WD House

Blog do @lfaro - Todos os direitos reservados